3 de setembro de 2010

Superei o medo...


e decidi arriscar. Que coisa, também não podia passar mais meses sem voltar a comer o dito.
Tudo bem que quase me matou da última vez, mas caramba… fiquei quê? 2h com falta de ar? Até parece que estava a morrer!
Vá lá… superei o medo, mas só hoje! Passados largos meses… voltei a tentar… e não é que correu bem?

Sim! Hoje comi bacalhau com natas, maravilhoso, daquele que fazem aqui na cantina do office.

Porque é que fiquei tanto tempo sem o comer? - perguntam vocês.
A espinha… foi uma espinha… fiquei com ela espetada ao pé das amígdalas. Só passou com uma ida às urgências. Muito sofri eu aquele dia.
Mas superei! Superei o trauma!

Estou tão feliz. Ultrapassei o medo às espinhas que atormentavam a minha vida!

6 comentários:

nuvem.de.algodão doce disse...

Olha que eu esmiuço tudo o que é prato de peixe à procura de espinhas. Só depois de analisar muito bem uma garfada é que a meto à boca.
*

Becas disse...

Por bacalhau com natas consegue-se ultrapassar tudo! É o melhor prato de bacalhau de sempre! Já fiquei cheia de desejos :s

Também tive de ir tirar uma espinha que me ficou espetada na garganta... E quando vi a enfermeira com aquela pinça gigante a dizer-me para abrir a boca... Oh meu deus. O que vale é que foi rápido.

Sardinhas é que não como. Aquelas espinhas fininhas são traiçoeiras :p

Eli disse...

Há uns anos atrás também me aconteceu algo parecido. Mas foi a comer um arroz de bacalhau :(

teardrop disse...

Bem, estou a ver que somos parecidas... Eu também tive um trauma por me ter engasgado com um comprimido :( Foi difícil, mas também superei! Ainda bem que conseguiste ultrapassar esse medo, é muito importante quando conseguimos fazer isso!

Menino da Mamã disse...

Da próxima vez, usa Clearasil :P Ehehe

Gracinha disse...

Felizmente nunca me entalei com nenhuma espinha, mas já tive de socorrer um Sr. que ficou com uma, mas daquelas bem grandes, espetada na laringe. Com ajuda de uma colher de sopa e uma pinça, lá a consegui tirar. Mas testemunhei como é grande a aflição que se sente... Irra!!