19 de novembro de 2010

Cimeirinha cimeirinha


Já viste que por tua culpa grande parte dos trabalhadores da função pública está hoje por casa? Achas isto bem? Com o estado em que a nossa economia se encontra, achas bem o que fizeste? As escolas estão fechadas, centros de saúde fechados, repartições de finanças… é que não se vê quase ninguém na rua. Era preciso isto tudo, cimeirinha?

Sempre gostei de ser do contra e só por isso, hoje, vou matar-me a trabalhar. Só para aprenderes a não dar pontes a um País que precisa de labutar. Sim, eu gosto de labutar. Também gosto de pontes, gosto. Contudo, labutar traz-me uma certa alegria. Sabes aquele sentimento de utilidade? Pronto, é isso. Gosto de me sentir útil.

Li outro dia que “um dia de paragem custa ao País 72 milhões de euros.” A função pública representa cerca de 12,5% da população activa, cimeirinha!
Está bom de ver que além de paralisares esta percentagem significativa, paralisas uma outra tanta do sector privado, que se ressente dos efeitos da mesma.

Portanto, espero que esta tua presença em Portugal traga mesmo boas notícias. Caso contrário, sou menina para me chatear contigo, ainda mais!

Com apreço,

Ana – Uma trabalhadora humilde do sector privado

3 comentários:

MAG disse...

Eu estou no público e agregada à Câmara de Lisboa, portanto enquanto o outro foi para o México eu tenho de dar ao dedo :P Bjs

Autora de Sonhos disse...

Podes crer!

Lea disse...

É coisa ridicula, é... dar "ponte" quando estamos tão mal e apertados... É triste que isto continue a acontecer...
E eu junto-me a ti, Anita!!! Eu ralho com a "cimeirinha"... É bom que resulte em boas notícias!
Não me cabe na cabeça esse tipo de cenários lá dos cerebros do governo... :(